Safrinha 2018 no Paraná deve ter chuvas irregulares e geadas | Milho | Agricultura | Agronegócio

O plantio da segunda safra de milho está praticamente encerrado no Paraná. Com ele, durante o desenvolvimento das plantas, chega também um perigo que afeta lavouras e municípios: o aumento das chances de geadas e chuvas irregulares devido ao fenômeno climático La Niña, que ocorre neste ano.

“Isso deve continuar influenciando o clima no outono e no inverno. O verão, com exceção dos últimos dias, não foi tão quente, por exemplo. Temos períodos curtos em que chove muito. E o frio também chega mais cedo”, prevê Luiz Renato Lazinski, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia.

O especialista explica que os riscos passam a se intensificar a partir do fim de maio. “Como a safra está atrasada, teremos mais áreas suscetíveis aos riscos de geadas principalmente em junho e julho”, destaca. As lavouras mais ameaçadas são as do Oeste do Paraná e sul do Mato Grosso do Sul, na avaliação de Lazinski.

Status da safrinha

O último levantamento do Departamento de Economia Rural do Paraná, no dia 13, indicava 86% do plantio do milho safrinha concluído. “Agora, já devemos estar em uns 90%, faltando apenas o Norte”, afirmou nesta quinta (15) Edmar Gervásio, analista do Deral.

O atraso na safra de verão – devido às secas do último trimestre de 2017 – foi o motivo do adiamento do cultivo da safrinha. “Com o ciclo se alongando em 10 ou 20 dias, o risco climático é maior. E isso pode influenciar o desenvolvimento da planta”, afirma o analista. Ele identifica ainda outro problema: a concentração de plantio.

Gervásio explica que a janela menor de cultivo obrigou os agricultores a concentrarem a semeadura. “Se um produtor plantava 1 mil hectares em uma semana, ele acaba plantando 2 mil”, exemplifica. Isso faz com que uma área maior esteja mais exposta a um período de geada ou forte chuva, o que pode comprometer a produtividade.

Produtores buscam proteção

Com o risco iminente, cada vez mais produtores estão buscando o seguro rural para a segunda safra de milho. Mesmo com uma área plantada 11% menor do que no ano passado no Paraná, segundo o Deral, a busca pelo seguro subiu 20% na Sancor Seguros.

“O produtor tem essa percepção e o seguro minimiza o risco. Ele sabe que a qualquer momento pode acontecer um imprevisto”, afirma Everton Todescatto, gerente comercial da Sancor no Paraná. O estado é o maior contratante do seguro agrícola da empresa na segunda safra, com 80% dos contratos.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo



window.fbAsyncInit = function() {
FB.init({
appId : ‘your-app-id’,
xfbml : true,
version : ‘v2.3’
});
};

(function(d, s, id){
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) {return;}
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/en_US/sdk.js”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Source link

Be the first to comment on "Safrinha 2018 no Paraná deve ter chuvas irregulares e geadas | Milho | Agricultura | Agronegócio"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*