Presídio na Rússia ganhou padrão Fifa, segundo Alexei Navalny

O ativista e blogueiro Alexei Navalny, o mais conhecido opositor do governo do presidente russo Valdimir Putin, foi solto nesta quinta-feira (14). Ele fez uma revelação inusitada em sua conta no Instagram: as cadeias de Moscou ganharam o “padrão Fifa” para receber estrangeiros que eventualmente sejam presos.

Sem usar o jargão, que ganhou fama na Copa de 2014 no Brasil, ele afirmou que as celas da prisão em que ficou na capital foram reformadas com materiais de boa qualidade, o chamado “euroremont” —renovação com qualidade europeia, como os russos chamam qualquer coisa que não lembre o antigo padrão soviético de construção e acabamento. As prisões do país têm fama de serem lugares opressivos, para usar o eufemismo.

As celas foram pintadas e ganharam vasos sanitários no lugar de buracos simples no chão. Segundo Navalny, os blocos ganharam telas de LCD para que os detentos possam assistir aos jogos da Copa e “a comida é melhor do que em restaurantes”. Traves de futebol e bolas foram levadas para os pátios.

O ativista relata que há agora guardas femininas que falam inglês e são “uma mistura de policial com aeromoça”. Segundo ele, ainda não havia nenhum estrangeiro em sua unidade prisional. A autoridade que cuida das cadeias na Rússia não se pronunciou sobre o caso, seja para negar ou para confirmar a descrição.

Protesto durante a Copa?

Navalny ganhou atenção mundial ao convocar megaprotestos contra a corrupção estatal russa no ano passado, sempre de forma descentralizada, pela internet. Em dois atos, dezenas de milhares foram às ruas, a maioria jovens, em cerca de 200 cidades da Rússia.

Ele buscou concorrer à Presidência em março, mas foi barrado por ter uma condenação criminal que alega ser fruto de uma armação judicial. De todo modo, as pesquisas disponíveis nunca deram mais de 1% de intenções de voto para o ativista, cuja atração a jovens é criticada como manipulação pela oposição estabelecida no país. Putin acabou sendo reeleito com 77% dos votos.

Na véspera da posse do presidente, em 5 de maio, Navalny novamente foi ao enfrentamento e se recusou a fazer um protesto contra Putin na área permitida pela prefeitura de Moscou. O mesmo ocorreu em várias cidades, e mais de mil ativistas acabaram detidos. No julgamento relâmpago que se seguiu, o blogueiro recebeu a pena máxima cabível, de 30 dias.

A sua libertação no dia em que a Copa começa na Rússia está deixando seus apoiadores curiosos: Navalny vai tentar fazer protestos novamente? Segundo um porta-voz do Fundo Anticorrupção, sua ONG, não há previsão de atividades para os próximos dias, mas na verdade essas coisas não são divulgadas de forma muito adiantada.

Saiba mais: Os rumos da política internacional da Rússia no último mandato de Vladimir Putin

Em tese, o ambiente é perfeito para protestos. Cerca de 5.000 jornalistas estrangeiros estão na Rússia, os proverbiais olhos do mundo estão direcionados para a nação de Putin. O próprio presidente se mostra ciente publicamente disso, tanto que instou os visitantes a conhecer uma Rússia “amigável e legal” em discurso na quarta-feira (13). O forte policiamento em todas as cidades-sede, contudo, pode ser um fator de dissuasão para os ativistas.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.6”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Source link

Be the first to comment on "Presídio na Rússia ganhou padrão Fifa, segundo Alexei Navalny"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*