Islã não pertence à Alemanha, diz novo ministro de Merkel

Em seu primeiro dia no cargo, o novo ministro alemão do Interior deu declarações que indicam um endurecimento na política de refugiados do país, uma das atribuições de seu ministério.

“O islã não pertence à Alemanha”, disse Horst Seehofer ao tabloide Bild, em entrevista publicada nesta sexta-feira (16). “Os muçulmanos precisam viver conosco, não perto da gente ou contra a gente.”

Em 2015, ano mais agudo da crise imigratória, a Alemanha recebeu cerca de 1 milhão de refugiados, a maioria deles vindos da Síria, Afeganistão e Iraque. A chanceler Angela Merkel defendeu uma política de portas abertas, o que levou seu partido conservador, a CDU (União Democrata-Cristã), a perder eleitores para a ultranacionalista AfD (Alternativa para a Alemanha).

Ex-governador da Baviera, Seehofer lidera a CSU (União Social-Cristã), aliada de Merkel. A aliança de décadas, porém, não o impediu de criticar abertamente a política de refugiados da chanceler. Depois de um ataque terrorista matar 12 pessoas em Berlim em dezembro de 2016, Seehofer passou a defender um teto anual de 200 mil refugiados a serem recebidos pela Alemanha.

“A Alemanha é moldada pelo cristianismo”, afirmou o ministro ao Bild. “Isso inclui o domingo livre, os feriados religiosos e rituais como a Páscoa, o Corpus Christi e o Natal. É claro que os muçulmanos que vivem conosco pertencem à Alemanha. Mas isso não significa que iremos desistir de nossas tradições por falsa consideração.”

Dias antes de assumir o ministério que cuida do aparato de segurança interna da Alemanha, Seehofer já havia dito que “queremos permanecer um país aberto ao mundo e liberal. Mas quando se trata da segurança dos cidadãos, precisamos de um Estado forte”.

Questionado, o porta-voz de Merkel não endossou as declarações. Apesar de historicamente moldada por cristãos e judeus, hoje vivem milhões de muçulmanos na Alemanha, disse Steffen Seibert em entrevista coletiva nesta sexta. “Com base em nossos valores e sistema jurídico, o islã agora também é parte da Alemanha.”

Membros de outros partidos criticaram Seehofer e afirmaram que assim ele faz campanha para a AfD. “Esse é o discurso que se conhece: ‘Não tenho nada contra estrangeiros mas…’”, disse o deputado dos Verdes Jürgen Trittin.

A sigla ultranacionalista, de fato, foi a única a elogiar o ministro. “O ministro Seehofer tirou essa mensagem precisamente do nosso programa”, afirmou André Poggenburg, que até a semana passada liderava a AfD no leste da Alemanha.

Leia também: Pesquisa mostra o que a Alemanha tentava esconder: refugiados são responsáveis por aumento da criminalidade no país

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.6”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Source link

Be the first to comment on "Islã não pertence à Alemanha, diz novo ministro de Merkel"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*