Igualdade de gênero é pior em física e matemática

Uma pesquisa publicada na última quinta (19) na revista Plos Biology, cientistas da Universidade de Melbourne, na Austrália, usou bases de dados da PubMed e da arXiv, duas grandes bibliotecas de artigos acadêmicos de revistas científicas para analisar a igualdade de gênero nas chamadas Stemm (sigla em inglês para ciência, tecnologia, tecnologia, engenharia, matemática e medicina).

O estudo concluiu que não há igualdade de gênero no campo da física, pelo menos no que diz respeito às posições de chefia. A disciplina, assim como a ciência da computação, a matemática e a química são as que têm menos mulheres, afirma estudo.

A equipe de pesquisadores desenvolveu um programa de computador que conseguia diferenciar, com taxa de acerto de 99,7%, nomes femininos e masculinos e o alimentou com mais de 36 milhões de nomes de autores referentes a mais de nove milhões de artigos publicados. De forma geral, entraram no estudo artigos publicados desde 1991.

Em 87 das 115 disciplinas analisadas a partir de estudos publicados, a porcentagem de autoras é significativamente menor que 45%. Em cinco disciplinas, essa porcentagem era maior que 55% e nas 23 restantes a taxa estava dentro de 5% de diferença entre homens e mulheres.

Se áreas como física, química e matemática são as que têm mais homens, áreas relacionadas à saúde, como enfermagem, obstetrícia e cuidados paliativos, são as que mais têm mulheres.

LEIA TAMBÉM: Elx, el@s, todxs? Na língua portuguesa, sem gênero neutro: apenas masculino e feminino

A partir dos dados coletados, os pesquisadores conseguiram analisar a questão de gênero entre as revistas mais prestigiadas, como Nature e BMJ, e as de acesso aberto. Em geral, há menos autoras em periódicos de maior prestígio e mais nos de acesso livre – como a Plos Biology.

A explicação para isso não é simples, mas pode haver preconceito de gênero na revisão por pares e nos convites para submissão de estudos – os cientistas estimaram, a partir dos dados, que um homem tem cerca de duas vezes mais chance de ser convidado para submeter sua pesquisa.

“Isso sugere a necessidade de escrutinar as práticas editoriais, eleger mulheres editoras e implementar objetivos de gênero quando se usa o expediente de convite para publicação”, dizem os autores.

Caso você esteja se perguntando, o estudo tem duas autoras – pesquisadoras seniores, citadas como últimos nomes nos créditos – e um pesquisador homem, citado como primeiro autor.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.6”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Source link

Be the first to comment on "Igualdade de gênero é pior em física e matemática"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*