Contra violência urbana, Curitiba quer drones e “muralha digital”

O prefeito Rafael Greca (PMN) disse na quarta-feira (7) em Brasília durante uma reunião com o presidente da República, Michel Temer (PMDB), que as prioridades da cidade na área da segurança pública são uma “muralha digital” e monitoramento por drones. Os projetos ainda estão em estudo e por isso não têm valores estimados ou prazo de instalação.

Segundo a administração municipal, o conceito de “muralha digital” leva em consideração as prerrogativas de cidade inteligente (smart city), que orientam uma visão com processamento de dados, internet das coisas e gestão de aplicativos para interligar pessoas e atividades. O rascunho inicial do projeto de Curitiba prevê a instalação de câmeras de segurança (com tecnologia de reconhecimento de face e de placas) e integração com o monitoramento do setor privado, radares e lombadas eletrônicas, a fim de permitir identificação de suspeitos de forma mais rápida.

LEIA MAIS:Mais um arrastão em ônibus é registrado em Curitiba; é o 19.º em 2018

A ideia de envolvimento do setor privado também está sendo discutida pela administração municipal e pela Associação Comercial do Paraná (ACP), que repassou aos empresários do setor um projeto de instalação de câmeras de segurança na parte externa das lojas e a transmissão das informações coletadas para a inteligência da Secretaria de Defesa Social do município e Secretaria de Segurança Pública do Paraná. O projeto piloto seria concebido na Rua XV de Novembro, no Centro da cidade, bairro com os maiores índices de furtos e roubos, de acordo com a Guarda Municipal.

A ideia de Greca é “proteger Curitiba com a instalação de câmeras de segurança que tenham sistema de reconhecimento de placa e de face nos terminais e nas entradas da cidade”. A frase foi citada durante o encontro do prefeito com Michel Temer.

Rafael Greca, durante a reunião em BrasíliaMarcos Corrêa/PR

Mais projetos

Outro projeto da prefeitura de Curitiba ganhou destaque na reunião: o mapeamento aéreo com drones para aprimorar o trabalho de inteligência policial e o levantamento de informações para áreas de risco e situações de catástrofe. Um sistema similar é adotado em São Paulo.

Na reunião, Greca falou ainda sobre a necessidade de reforço no patrulhamento da Polícia Federal (PF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas estradas e fronteiras e a implantação de um mapa do crime online, compartilhado com os municípios. O prefeito também falou sobre uma alteração na legislação específica para que as Guardas Municipais possam receber armas de calibre restrito doadas por órgãos de segurança pública.

Linha de crédito

O ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou durante a reunião que os municípios terão acesso a uma linha de financiamento de R$ 10 bilhões do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investimento na área de segurança pública. O governo federal liberou R$ 42 bilhões para reforço do policiamento e do investimento em tecnologia de segurança nos estados e municípios.

LEIA TAMBÉM:Ladrões roubam até o granito da calçada no Jardim Botânico

Os critérios de acesso ao financiamento ainda não foram detalhados, mas o assunto deve ser tratado em nova reunião entre a equipe do governo federal com secretários estaduais de segurança, no dia 15 de março, e outra com os prefeitos, prevista para o dia 21.

A prefeitura de Curitiba informou que a possibilidade de utilização dessa linha de crédito ainda “está sendo avaliada”.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.6”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Source link

Be the first to comment on "Contra violência urbana, Curitiba quer drones e “muralha digital”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*