Carne Fraca: principal delator pagará R$ 2 milhões até o ano de 2022

O principal delator da Operação Carne Fraca, Daniel Gonçalves Filho, pagará a título de indenização uma quantia de R$ 2 milhões. O valor será depositado por ele em cinco parcelas de R$ 400 mil. A primeira parcela será paga em agosto de 2018; a última em agosto de 2022. A quantia consta no seu acordo de colaboração premiada, firmado em meados de 2017 com o Ministério Público Federal (MPF) e homologado pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 18 de dezembro do ano passado.

Nesta semana, os tais termos do acordo foram anexados em quatro ações penais da Carne Fraca, nas quais Daniel Gonçalves Filho figura como réu. Os processos tramitam no primeiro grau da Justiça Federal do Paraná.

Outra condição prevista no acordo de colaboração premiada é a redução da pena. Serão 15 anos de reclusão, mas distribuídos da seguinte forma: 9 meses de prisão em regime fechado (já cumpridos entre março e dezembro de 2017); 2 anos e seis meses de prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica; 2 anos de prisão em regime semiaberto, com tornozeleira eletrônica e recolhimento domiciliar entre 22 horas e 6 horas, e também nos finais de semana; e prisão em regime aberto diferenciado, que consistirá exclusivamente em comparecimento mensal à Justiça Federal para justificar atividades, até o restante da pena.

A primeira fase da Operação Carne Fraca foi deflagrada há um ano. Daniel Gonçalves Filho foi preso apontado como chefe do esquema de propina que funcionaria na superintendência no Paraná do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ele ocupou o posto de superintendente regional do Mapa, em Curitiba, entre julho de 2007 e fevereiro de 2014 e também entre junho de 2015 e abril de 2016.

A propina era entregue a servidores públicos por empregados de empresas que são alvos de fiscalização do Mapa, como frigoríficos. Em meados do ano passado, quando já estava negociando uma delação, Daniel Gonçalves Filho citou nomes de parlamentares do Paraná como beneficiários do esquema de propina, daí o fato de o acordo de colaboração premiada ter sido homologado no âmbito do STF, foro adequado para deputados federais.

Em função da delação, o juiz federal Marcos Josegrei da Silva, que atua na 14ª Vara Federal de Curitiba e está à frente de todas as sete ações penais derivadas da Carne Fraca, determinou um “reinterrogatório” de Daniel Gonçalves Filho nos quatro processos nos quais é réu. Até aqui, o ex-superintendente do Mapa ficava em silêncio nas audiências. A expectativa agora é que ele colabore com novas informações aos processos. O primeiro “reinterrogatório” acontece nesta sexta-feira (16). Os demais depoimentos já foram marcados para 21 de março, 5 de abril e 11 de abril.





Source link

Be the first to comment on "Carne Fraca: principal delator pagará R$ 2 milhões até o ano de 2022"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*