A censura da China comunista faz mais uma vítima: a Peppa Pig

O esforço da China para livrar sua internet de elementos desagradáveis parece ter feito uma vítima improvável, com milhares de vídeos do programa de desenho infantil “Peppa Pig” retirados de um aplicativo de vídeo local. 

A Douyin, uma plataforma de vídeo online pertencente à empresa de tecnologia Beijing Bytedance Technology, removeu todos os traços do programa de TV britânico, informou nesta terça-feira (01) o jornal China Daily. O aplicativo já havia retirado mais de 30.000 vídeos relacionados à Peppa Pig, de acordo com a mídia estatal. 

Nossas convicçõesO valor da democracia

As pesquisas realizadas no aplicativo Douyin relacionados ao programa — que segue as aventuras de uma jovem porquinha e sua família — não produziram resultados nesta quarta-feira (02). A Bytesance, que já foi vítima da ira dos censores chineses mais de uma vez, não respondeu às mensagens do WeChat e telefonemas da reportagem. 

“Peppa Pig” tornou-se um grande sucesso na China desde que apareceu pela primeira vez na rede de televisão China Central em 2015. Mas o apelo do desenho animado se espalhou para além das crianças jovens para adolescentes e adultos, com alguns vendo na personagem um sinal de rebeldia, de acordo com o New York Times. O China Daily diz que o apelido chinês de Peppa Pig — shehuiren — é uma gíria para gângster, estimulando os fãs adultos a vincular o programa ao gangsta rap. 

Leia maisDitadura chinesa censura críticas à permanência de Xi Jinping

As pessoas têm postado suas próprias versões do programa, dubladas e editadas, e algumas até fizeram tatuagens de “Peppa Pig”, disse o jornal. Uma rima de duas linhas que pode ser traduzida aproximadamente como “Faça sua tatuagem da Peppa Pig, grite para sua fraternidade” se tornou viral na China. 

A mídia estatal especula que os links para as gangues e as tatuagens — ambas desaprovadas na cultura chinesa — podem ser o motivo pelo qual a Douyin retirou os desenhos animados. Os vídeos da “Peppa Pig” foram vistos 45 bilhões de vezes nas plataformas de vídeo sob demanda do país

A aparente remoção de “Peppa Pig” do aplicativo Douyin vem depois que a China reprimiu outras plataformas de propriedade da Bytedance. No mês passado, as autoridades exigiram a suspensão dos downloads de quatro aplicativos de notícias criados pela startup e pela gigante de tecnologia Tencent Holdings Ltd. Eles também ordenaram o desligamento de um aplicativo de compartilhamento de piadas administrado pela Toutiao, o maior aplicativo da Bytedance. 

Leia maisChina censura menção de livros críticos a regimes autoritários nas redes sociais

A China controla rigidamente a internet dentro de suas fronteiras, censurando certos tópicos e termos de busca. As autoridades periodicamente reprimem as empresas de mídia, buscando eliminar das plataformas sociais e da web críticas ao governo, bem como conteúdos que consideram lascivo ou subversivo. 

Esta não é a primeira vez que personagens infantis são vítimas da censura chinesa. Depois que o presidente Xi Jinping propôs a revogação dos limites do mandato presidencial em fevereiro, o Ursinho Pooh foi temporariamente banido depois que comentaristas usaram o personagem em memes como substituto de Xi.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.6”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Source link

Be the first to comment on "A censura da China comunista faz mais uma vítima: a Peppa Pig"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*